Tecnologia e Marketing: ainda há tempo para invesitr?

Economia e vendas, dois assuntos que são do seu interesse

 

A tecnologia está tão presente no dia a dia do homem, que torna-se impossível não reconhecer o seu respectivo papel. Principalmente, para empresas que prestam serviços fundamentais à sociedade – que passaram a adotar instrumentos e táticas presentes no âmbito virtual para empreender no Mercado. O comércio precisou se reinventar para atender as necessidades do mundo online. Sendo assim, temas como marketing, tecnologia e economia  passaram a fazer parte da pauta de muitas marcas.

 

Essas áreas se relacionam como um perfeito encaixa, a economia é responsável pelo estudo desde a fabricação da matéria prima, até o seu ponto final de distribuição e a sua entrega as mãos do consumidor. O marketing é encarregado de criar estratégias que desenvolvam necessidades no consumidor, influenciando assim a venda de mercadorias. Por exemplo, o trade marketing é responsável por fazer com que os produtos cheguem nos pontos de vendas (PDVS) e sejam vendidos. E a tecnologia permeia entre esses dois adventos, influenciando na produção, distruibuição e informação.

 

A informação é algo fundamental no trade marketing. E a tecnologia criou pontes para de comunicação entre empresa x funcionário e consumidor x empresa. Antes, informações de estoque e reposição de produtos era feito manualmente. Agora, em questão de segundos a empresa entra em contato com os centros de distribuição, solicitando reposição de estoque. E o cliente

não precisa mais estar em casa, em frente a um veículo de comunicação para saber o que está sendo ofertado no mercado. A tecnologia criou um consumidor autônomo e cada vez mais o comércio teve que se adaptar a esse perfil de cliente.

 

 

A tecnologia também  beneficiou o marketing. Passou-se a ter acesso a informações mais precisas e as estratégias que visavam apenas publicidade em mídias off-line- como o papel, começaram a ser um ponto fora da curva. A democratização da internet e o serviço de sistema mobile mostraram um novo caminho de investimento das ferramentas demarketing: os aplicativos de mensagens instantâneas. As promoções realizadas no sistema mobile – a qual o brasileiro dedica horas do seu dia, tornou-se algo frutífero trazendo como características segmentação de público e personalização de campanhas.

 

 

Segmentar o público é compreender que perfil do consumidor é formado por inúmeros fatores, como: informações socioeconômicas, necessidades, hábitos, entre outros. A tecnologia possibilitou que o marketing identificasse tais características e que marcas desenvolvessem comunicações personalizadas exclusivas para o seus clientes. Pois, a partir do momento que determinada empresa identifica o que seu consumidor trata como prioritário e compreende o comportamento do indivíduo que almeja atingir, as ofertas e a propagação passam a ser feitas de forma exclusiva.

 

>> O envio de ofertas no ambiente online possibilitou que o conteúdo seja entregue de forma  rápida e prática.

Os empreendedores perceberam essa oportunidade e passaram a utilizar esse espaço como principal ferramenta  de marketing.

 

As promoções de produtos no ambiente online, tornou-se algo tão eficaz que os efeitos surtiram desde o centro de distribuição até os pontos de venda. O dobramento do ticket médio passou a ser uma realidade para muitas marcas, pois o cliente começou a ter mais engajamento com as organizações, à partir da vertente que não é mais ele que precisa ir até o comércio, mas o comércio vir até ele.  E para os empreendedores, adentrar a zona de conforto do consumidor nunca foi tão fácil. O ambiente online comporta as mais diversas faixas etárias, então temos um ponto de encontro em comum e com baixo custo.

 

Atualmente, a possibilidade de chegar ao cliente através de um único meio trouxe soluções para problemas antigos. Muitas marcas investiam massivamente em diversas estratégias de marketing para conseguir espaço em mídias off-line.

 

 

 A internet favoreceu o encontro de mídias, clientes e empresas. Com isso, as marcas passaram a investir cada vez mais em conhecer o perfil de cada consumidor.

 

O processo de divulgação dos produtos – através de um denominador comum entre cliente e marca, fez com que os empreendedores lucrassem até com as taxas de gôndola. Com a saída constante de  mercadorias, o distribuidor começou a investir mais no mostruário dos seus revendedores, para que os seus produtos estejam nas primeiras prateleiras -visando a atenção do consumidor.

 

A tecnologia oferece segurança e agilidade para o empreendedor, e nessa escalada econômica vence aquele que compreende que para vender é preciso cada vez mais conhecer o cliente e habitar o mesmo ambiente que ele. Afinal, pare e pense: nessa cadeia alimentar que se tornou o comércio,  torna-se mais sucessível atingir uma presa à qual temos conhecimento de suas necessidades.